sábado, 10 de setembro de 2011

Pilates para escápula alada


O músculo serrátil anterior é largo, origina-se nas primeiras nove costelas e se insere na superfície costal da escápula, ao longo da sua borda medial. Pode ser dividido em três porções: superior, medial e inferior. A digitação inferior que se insere no ângulo inferior da escápula é a mais importante. Ela exerce a principal função do músculo, que é fixar a escápula contra o tórax durante os movimentos do ombro. O músculo serrátil anterior é inervado pelo nervo torácico longo (nervo de Bell).

Após a paralisia do músculo serrátil anterior, a escápula tende a se deslocar para trás, dando o aspecto de asa (escápula alada).

A deformidade de escápula alada não é uma condição clínica freqüente. Velpeau, em 1837, foi o primeiro a reconhecer a paralisia do serrátil anterior. Os pacientes queixam-se de dor, fraqueza, desconforto e diminuição da mobilidade ativa do ombro. Todos esses sintomas variam com a gravidade da lesão nervosa. Embora a lesão do nervo torácico longo seja fácil de ser reconhecida na avaliação clínica, o diagnóstico e a etiologia devem ser confirmados pela eletroneuromiografia (ENMG), que também orienta o prognóstico.

Existem várias causas para essa lesão nervosa. A literatura mostra grande variedade de agentes causais, como: traumatismo, infecção, exposição ao frio, complicação cirúrgica, esportes, choque elétrico, entre outras. Muitos casos são de etiologia obscura.

A recuperação espontânea do nervo torácico longo pode ocorrer e muitos pacientes tornam-se assintomáticos. Outros recuperam satisfatoriamente os movimentos do ombro afetado, mas permanecem com alguma deformidade residual. O tempo de recuperação varia de seis meses a três anos e o prognóstico é melhor quando ela ocorre abaixo de seis meses.

O tratamento deve ser conservador nos estágios iniciais (seis a 12 meses) e os procedimentos cirúrgicos só devem ser indicados nos casos refratários com incapacidade física para o trabalho e para os esportes. Grande variedade de tratamentos cirúrgicos tem sido proposta para substituir o músculo paralisado. Existem três procedimentos básicos: a escapulopexia, as transposições musculares e a artrodese escápulo-torácica.

É no tratamento conservador que o pilates entra trazendo ótimos resultados. Atuando de forma a ativar o equilíbrio entre cadeias musculares. Alongando músculos tensionados e fortalecendo aqueles mais fracos. O método busca reorganizar a dinâmica muscular da cintura escapular, visto que esse conjunto de músculos, nervos e articulações são muito instáveis pela grande variedade de movimentos que possuem.

É recomendado que o indivíduo com diagnóstico de escápula alada se afaste temporariamente de atividade repetitivas, esportes e não carregue peso.

Um comentário: